terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Lembranças . . .

Esse lindo texto conheci quando cursei o ginásio,  e hoje estou compartilhando com vocês. Espero que vocês se emocionem, como eu, ao ler essa maravilhosa descrição de Humberto de Campos.

Meu Cajueiro




"Aos treze anos da minha idade, e três da sua, separamos-nos, o meu cajueiro e eu. Embarco para o Maranhão, e ele fica. Na hora, porém, de deixar a casa, vou levar-lhe o meu adeus. Abraçando-me ao seu tronco, aperto-o de encontro ao meu peito. A resina transparente e cheirosa corre-lhe do caule ferido. Na ponta dos ramos mais altos abotoam os primeiros cachos de flores miúdas e arroxeadas como pequeninas unhas de crianças com frio.
-Adeus, meu cajueiro! Até à volta!
Ele não diz nada, e eu me vou embora.
Da esquina da rua, olho ainda, por cima da cerca, a sua folha mais alta, pequenino lenço verde agitado em despedida. E estou em São Luís, homem-menino, lutando pela vida, enrijando o corpo no trabalho bruto e fortalecendo a alma no sofrimento, quando recebo uma comprida lata de folha acompanhando uma carta de minha  mãe: "Receberás com esta uma pequena lata de doce de caju, em calda. São os primeiros cajus do teu cajueiro. São deliciosos, e ele te manda lembranças..."

Humberto de Campos

4 comentários:

  1. Adorei amiga que saudades de ti Sonhe
    "O mundo está nas mãos daqueles que têm a coragem de sonhar, e correr o risco de viver seus sonhos." Erica

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    fez um selinho que amor , eu vou querer...
    posta o selinho no seu bog,escreve os nomes das amigas que tu quer mandar e avisa nos blog delas que tem selinho, elas tem que aceitar e ir no seu blog copiar...é o unico jeito!
    qualquer coisa estou poraqui!
    meu email
    lenalima.g@hotmail.com

    abraço!!!

    ResponderExcluir





O trabalho apresentado no blog NÃO é de minha autoria.
Todos os moldes, pap's e etc foram tirados da net, de sites que os disponibilizavam sem quaisquer ônus.
Caso alguém se sinta lesado pela não citação da autoria, basta fazer contato que damos os créditos ou tiramos do ar.